Maringá, 17 de Junho de 2019
GLOBAL BENEFÍCIOS Black Bull Steak House
 
Untitled Document
DOM ANUAR BATTISTI
Arquidiocese de Maringá
 

Economia de Comunhão e o perfil do empresário

A Economia de Comunhão, idealizada por Chiara Lubich, do Movimento dos Focolares, tem como propósito a distribuição do lucro, de modo a construir e apresentar uma sociedade que possa ser semelhante à primeira comunidade de Jerusalém, onde “entre eles não havia necessitados”.

Para tanto, envolve empresários, trabalhadores, gestores, consumidores, cidadãos, estudiosos. A espinha dorsal do projeto são as empresas que, livremente, decidem colocar em comunhão seus lucros, segundo três finalidades de igual importância, quais sejam:

1 – Ajudar as pessoas que estão em dificuldade, criando novos postos de trabalho, e satisfazer as suas necessidades básicas por meio de ações de desenvolvimento, começando com aqueles que partilham o espírito do projeto.

2 – Difundir a “cultura do dar” e da reciprocidade, sem a qual é impossível realizar uma Economia de Comunhão. 3 – Desenvolver a empresa, que deve permanecer eficiente e competitiva enquanto se abre à gratuidade.

Do ponto de vista da sociedade, ao longo do tempo, a palavra “empresário” concentra vários sentimentos. Ele é observado de modos opostos: há quem o considere um benfeitor social, que cria empregos, riquezas e bens. Em palavras simples, se diria “de direita”, ou seja, vê qualquer forma de empreendedorismo como positiva, capaz de levar ao desenvolvimento e à riqueza.

Por outro lado, há outra linha de pensamento que vê o empresário como o opressor que expropria a força de trabalho dos seus colaboradores e enriquece por meios ilícitos.

É no primeiro contexto que o empresário ganha importância fundamental ao se tornar um agente econômico que, percebendo oportunidades de lucro, toma a iniciativa de reunir fatores de produção numa empresa com o objetivo de sua continuidade e crescimento de suas atividades.

De um modo geral, podem-se reconhecer dois aspectos característicos do empresário: primeiro, o de empreendedor, por conviver bem com o risco e com a incerteza, ou seja, é uma pessoa que tem uma estrutura psicológica que o torna capaz de conviver com esses fatores e, segundo, o de especulador ou oportunista, ao visar lucros.

Para diferenciar esses aspectos, surge o empresário de EdC, do qual se podem citar quatro características básicas: é sempre membro de uma comunidade, ou dentro da empresa ou com outros empreendedores; tem como principal objetivo a fraternidade, mas não é ele somente que vive essa fraternidade, e sim alguém que a ativa ao seu redor, pois a EdC não é um projeto apenas de empresários ou somente uma ética que se propõe a tornar melhores os empresários; só se dá por satisfeito quando vê a sua comunidade empresarial se tornar um local de comunhão, e, por último, tem por fim a fraternidade, ou seja é um irmão de todos.

Portanto, se alguém leva a sério isso, desencadeia uma revolução. Por quê? Porque o modo normal de compreender o papel do empreendedor – seja ele de direita, de esquerda, de centro, liberal, democrático etc – é considerá-lo como o gestor da empresa.

Cabe acrescentar que o propósito principal do empresário de EdC não é “fazer assistência aos pobres”, mas proporcionar meios que diminuam a desigualdade social. Deve-se orientar no sentido de criar uma comunidade onde se diminua a existência de pobres no sentido econômico, porque todos são pobres no sentido cristão e estão trilhando um caminho de fraternidade.

Para que seja possível exercer tudo isso, quatro pontos fundamentais podem ser destacados no desempenho da função de empresário da EdC: primeiro, é essencial tratar todos com estima, com escuta profunda. Se as pessoas – trabalhadores, dependentes, executivos – não se sentirem estimados, mas simplesmente um número na empresa, eles não respondem aos estímulos; segundo, a dignidade. Quem recolhe o lixo deve sentir-se tão importante como o banqueiro.

Todos são tratados como verdadeiros irmãos. terceiro, a participação, ou seja, não se pode dizer pela manhã “vamos viver a comunhão” e durante o dia não fazer existir nenhuma forma de participação. Não é possível que a comunhão não se traduza em práticas participativas de todos os atores em algum nível.

Por último, a decisão da destinação da riqueza produzida pela empresa deve ser tomada em conjunto entre empresário e colaboradores. Dessa forma, espera-se que as relações humanas nas empresas de EdC possam proporcionar elevação de competitividade e, principalmente, harmonia entre proprietários e colaboradores, no sentido de que todos pratiquem a fraternidade como princípio de reciprocidade.

Dom Anuar Battisti é Arcebispo Metropolitano de Maringá-PR

 
  
Os artigos, conceitos e opiniões pessoais são de inteira responsabilidade do autor.
30.01.2012
Arquidiocese de Maringá
22.12.2011
Arquidiocese de Maringá
07.12.2011
Arquidiocese de Maringá
26.10.2011
Arquidiocese de Maringá
23.09.2011
Arquidiocese de Maringá
03.09.2011
Arquidiocese de Maringá
22.07.2011
Arquidiocese de Maringá
08.07.2011
Arquidiocese de Maringá
02.07.2011
Arquidiocese de Maringá
17.06.2011
Arquidiocese de Maringá
15.06.2011
Arquidiocese de Maringá
27.05.2011
Arquidiocese de Maringá
29.04.2011
Arquidiocese de Maringá
15.04.2011
Arquidiocese de Maringá
08.04.2011
Arquidiocese de Maringá
03.04.2011
Arquidiocese de Maringá
25.03.2011
Arquidiocese de Maringá
18.03.2011
Arquidiocese de Maringá
13.03.2011
Arquidiocese de Maringá
04.03.2011
Arquidiocese de Maringá
26.02.2011
Arquidiocese de Maringá
19.02.2011
Arquidiocese de Maringá
11.02.2011
Arquidiocese de Maringá
04.02.2011
Arquidiocese de Maringá
29.01.2011
Arquidiocese de Maringá
31.12.2010
Arquidiocese de Maringá
18.12.2010
Arquidiocese de Maringá
11.12.2010
Arquidiocese de Maringá
05.12.2010
Arquidiocese de Maringá
27.11.2010
Arquidiocese de Maringá
21.11.2010
Arquidiocese de Maringá
14.11.2010
Arquidiocese de Maringá
05.11.2010
Arquidiocese de Maringá
31.10.2010
Arquidiocese de Maringá
27.10.2010
Arquidiocese de Maringá
22.10.2010
Arquidiocese de Maringá
17.10.2010
Arquidiocese de Maringá
10.10.2010
Arquidiocese de Maringá
03.10.2010
Arquidiocese de Maringá
25.09.2010
Arquidiocese de Maringá
12.09.2010
Arquidiocese de Maringá
04.09.2010
Arquidiocese de Maringá
27.08.2010
Arquidiocese de Maringá
22.08.2010
Arquidioecese de Maringá
15.08.2010
Arquidiocese de Maringá
25.07.2010
Parabéns Dom Jaime. 94 anos
17.07.2010
Arquidiocese de Maringá
10.07.2010
Arquidiocese de Maringá
27.06.2010
Arquidiocese de Maringá
20.06.2010
Arquidiocese de Maringá
16.05.2010
Arquidiocese de Maringá
09.05.2010
Arquidiocese de Maringá
01.05.2010
Arquidiocese de Maringá
25.04.2010
Arquidiocese de Maringá
18.04.2010
Arquidiocese de Maringá
11.04.2010
Arquidiocese de Maringá
21.03.2010
Arquidiocese de Maringá
14.03.2010
Arquidiocese de Maringá
26.02.2010
Arquidiocese de Maringá
21.02.2010
Arquidiocese de Maringá
05.02.2010
Arquidiocese de Maringá
31.01.2010
Arquidiocese de Maringá
16.01.2010
Arquidiocese de Maringá
08.01.2010
Arquidiocese de Maringá


PADRE EDUARDO BELOTTI
Momento de Espiritualidade
WALTER POPPI
Trimestralidade. Não é somente isso
WALDEMAR ALLEGRETTI
Já passou da hora
COLUNISMO SOCIAL
Eventos e Personalidades
DOM ANUAR BATTISTI
Arquidiocese de Maringá
EM DEFESA DO CONSUMIDOR
Confira seus direitos
TIAGO VALENCIANO
Política e Sociedade
OSWALDO FREIRE
Capital Federal
FRANCISCO JOSÉ DE SOUZA
A Lógica do Espiritismo
TATTÁ CABRAL
Ensaio
HENRI JEAN VIANA
Francês Press
ROSE LEONEL
Notícia e Cia.
ORLANDO GONZALEZ
Dois Toques
CARMEM RIBEIRO
Colunista Social
JUAREZ FIRMINO
Balanço Geral
ADEMAR SCHIAVONE
Memórias de um bom sujeito
VERDELÍRIO BARBOSA
Fatos Políticos
Clicompre
Aroma Ingá
Agropecuária Hélio
Rima Corretora de Seguros
Maringá Mais