Maringá, 21 de Fevereiro de 2018
GLOBAL BENEFÍCIOS NUTRIGENES
 
Untitled Document
05.02.2018
Zoonoses orienta população sobre cuidados
A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Sema), divulgou à população orientação por meio do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) para não alimentar e manter distância de animais silvestres nas áreas de reservas naturais.

Diariamente os veterinários da CCZ realizam o controle epidemiológico e alimentam os animais, incluindo macacos.

Erroneamente os macacos são associados aos surtos de febre amarela em outros estados. A veterinária do CCZ, Evandra Voltarelli explica que eles também são vítimas e hospedeiros da doença. “Não podemos pensar em ações de combate só quando há surtos, e sim, de janeiro a janeiro, todos os anos. A febre amarela é transmitida por vetores, como o mosquito da Dengue (Aedes aegypti) e são eles que devem ser combatidos”, afirma.

Atitudes como alimentar os animais silvestres ocasiona desequilíbrio para a fauna. “Quando criam hábito de consumir alimentos industrializados, os animais começam a sair da mata, local onde estão protegidos, vão para o perímetro urbano para pegar os alimentos da lixeira e acabam mortos por atropelamento ou agredidos pelos humanos”, argumenta o Secretário da Sema, Ederlei Alkamim.

ORIENTAÇÃO
A orientação do setor é que caso a pessoa encontre alguma irregularidade ou animal morto, ligue para a ouvidoria do município (156). A Sema estima que 700 macacos (Prego e Sagui) vivem em Maringá, no Horto Florestal, Borba Gato, Bosque II e Parque do Ingá (apenas Sagui).

FEBRE AMARELA
A vacina contra a febre amarela está disponível gratuitamente em todas as Unidades Básicas da Saúde (UBS) e na sala de vacinação da Secretaria de Saúde de segunda a sexta-feira. Entre os dias 1° e 29 de janeiro a secretaria aplicou 3.525 doses de vacina. Podem ser vacinadas pessoas de nove meses até 59 anos de idade. Acima dos 60, é preciso autorização médica. A imunização possui dose única (válida para vida inteira) de acordo com novo protocolo definido desde abril do ano passado, segundo o Ministério da Saúde (MS).

Diante dos surtos da doença em outros estados, as orientações são para as pessoas tomarem a vacina, principalmente em caso de viagens para regiões com casos notificados.

O único caso e morte por de febre amarela registrado pela Secretaria de Saúde em Maringá foi em 2008 e o caso era importado, ou seja, de outra cidade.

A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por um vírus transmitido por mosquitos vetores infectados, em áreas urbanas (Aedes aegypti), rurais ou silvestres (Haemagogus e Sabethes). Não há transmissão direta de pessoa para pessoa. Os sintomas iniciais da doença são: febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas, dores no corpo, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza.

Cláudio Santos
Foto - Reprodução
 
21.02.2018
Maia pode sancionar lei do assédio moral
21.02.2018
Semob promove ações para reduzir excesso de velocidade
21.02.2018
Obras no Terminal da Morangueira atrasam
21.02.2018
Senado aprova decreto presidencial de intervenção no RJ
21.02.2018
Denarc de Maringá apreende seis toneladas de maconha
21.02.2018
Onda de violência em Maringá preocupa
20.02.2018
Corinthians empata com RB
20.02.2018
Risco de infestação do mosquito da dengue é alto
20.02.2018
Pagamento do IPTU com 8% de desconto vai até dia 22
20.02.2018
Manifestantes invadem escritório de ministro da Saúde
20.02.2018
Bandidos matam um e ferem duas crianças na Cidade
19.02.2018
Reforma e revitalização da Praça de Patinação
19.02.2018
Comércio de Maringá registrou queda de faturamento
19.02.2018
Ator é vítima de comentários racistas
19.02.2018
Edital para frota de coleta seletiva tem apenas uma empresa
19.02.2018
Detentos do RJ fazem rebelião com reféns
19.02.2018
PM apreende mais de meio milhão de reais e maconha
Nipo Brasileiro Contabilidade
Hotel Internacional
SINCONFEMAR
Della Pizza
B1
Centro Comercial Tiradentes
Paraná Banco
MAPA - Venda de Ônibus
Oliver Media
Garage Motors
OdontoAtual