Maringá, 25 de Junho de 2018
GLOBAL BENEFÍCIOS Black Bull Steak House
 
Untitled Document
26.04.2018
Abertura de mercados deve ser decidida na Justiça
A Câmara de Vereadores de Maringá vota na manhã de hoje pela terceira e última vez o Projeto de Lei mais polêmico de 2018 até o momento. Referente à abertura de supermercados aos domingos, a proposta que divide opiniões por parte da população maringaense foi aprovada novamente na noite de terça-feira (24), com diversas modificações do texto original.

Resultado final deverá ser decidido na Justiça, por meio de ação estudada por sindicato dos empregadores que não concorda com a restrição.

Após aprovação em primeira votação há uma semana, os parlamentares se reuniram na sessão ordinária de terça-feira com modificações que surgiram após longo e intenso debate entre consumidores, empresários, sindicalistas e outras figuras interessadas no tema. Sob o pretexto de proteger mercados menores, a principal alteração se deve a limitação de abertura somente aos primeiros domingos de cada mês em estabelecimentos com mais de cinco funcionários. Deste modo, a Câmara acredita que mercados menores não serão prejudicados.

Justiça
De acordo com a direção do Sindicato dos Empregadores no Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios em Mercados, Minimercados e Hipermercados do Norte do Paraná (Sindimercados), todos os supermercados vão continuar abrindo aos domingos normalmente nas próximas semanas. Caso seja aprovado hoje em terceira e última votação e, no começo de maio, sancionado pelo prefeito Ulisses Maia, a entidade não descarta ingressar na Justiça para que o projeto seja invalidado.

A possibilidade se deve por conta da decisão do juiz da 5ª Vara do Trabalho, Humberto Schmitz, em julho de 2017, que autorizou o funcionamento destes tipos de estabelecimentos aos domingos. Durante a sustentação, o magistrado relatou que qualquer medida por via do legislativo para restringir a atuação comercial seria compreendida como “violação ao direito á livre iniciativa”, presente na Constituição Federal. Desta forma, mesmo com o encerramento das discussões na Câmara nesta quinta-feira, a entidade acredita que haverá respaldo jurídico para o cancelamento das condições impostas pela lei.

Polêmica
Desde que foi colocado na pauta para discussões no plenário, o Projeto de Lei número 14314/17, sob autoria inicial de Carlos Mariucci (PT), gerou polêmica por conta da regulamentação do funcionamento de mercados e farmácias na Cidade aos domingos.

Depois de discussões, a primeira modificação se deu pela retirada das drogarias das restrições, que seriam disciplinadas por meio de decisões da Prefeitura, conforme o texto. Em um mês, outros sete vereadores se juntaram a Mariucci e participaram da proposta com coautores.

Modificações
No último dia 10, quando seria votada, a matéria foi retirada de pauta por três sessões, visto a participação popular na Câmara e mobilizações favoráveis e contrárias. Pela falta de entendimento e pontos pouco concretos da medida, houve a necessidade de discussão por mais uma semana, para que todas as dúvidas fossem sanadas. No dia 19, última quinta-feira, o projeto reestruturado foi aprovado por 11 votos a dois. Mesmo com a primeira decisão pelo “sim”, novas modificações foram feitas para a segunda apreciação, inclusive, com outras quatro emendas.

Segundo o novo texto, a disposição sobre o funcionamento aos domingos de supermercados dependerá de autorização a ser concedida pelo Poder Executivo municipal, isto é, por parte do prefeito Ulisses Maia (PDT) e a equipe. A mudança que geroumaior conformidade por parte dos parlamentares e da população presente na Casa de Leis se deve a especificação de que a abertura em apenas um domingo, o primeiro de cada mês, ficará restrita aos estabelecimentos comerciais com mais de cinco funcionários.

Com esta emenda, os vereadores compreenderam que mercados menores e localizados nos bairros não terão prejuízos pela concorrência sofrida com os hipermercados.

Além da delimitação da abertura para o primeiro domingo de cada mês, outra alteração aprovada e que modifica a primeira redação tem relação com o funcionamento aos feriados. Para esta situação específica, a Câmara aprovou que o trabalho poderá ser realizado por meio de negociação das empresas com os sindicatos que representam a categoria de funcionários. Para Mariucci, durante discurso de defesa, o projeto faz com que os trabalhadores de grandes redes de mercados tenham o descanso garantido aos domingos e feriados, ao mesmo tempo em que pequenos comerciantes não serão “engolidos pelas grandes redes”.

Segunda votação
Durante a segunda votação, o placar de 11 a dois se repetiu com as mesmas opiniões. Votaram favoravelmente a regulamentação os parlamentares Alex Chaves (PHS), Altamir dos Santos (PSD), BelinoBravin (PP), Chico Caiana (PTB), Do Carmo (PSL), Flávio Mantovani (PPS), Odair Fogueteiro (PHS), Onivaldo Barris (PHS), Sidnei Telles (PSD) e William Gentil (PTB), além do autor, Carlos Mariucci. Pelo “não”, apenas Homero Marchese (Pros) e Jean Marques (PV) mantiveram o posicionamento. Como presidente da casa, Mario Verri (PT) se absteve e, afastado por motivos de saúde, Mário Hossokawa (PP) não compareceu à votação.

Segundo o regulamento interno da Câmara, por conta das duas votações e as emendas aprovadas nessa terça-feira, na sessão de hoje, que se inicia às 9h30, a terceira votação será realizada apenas para confirmar a redação final. Desta forma, não haverá a possibilidade de inclusão de novas emendas ou modificações. Com uma nova aprovação por maioria simples nesta quinta-feira, o texto será finalizado e o projeto encaminhado para sanção ou não do prefeito Ulisses Maia. Desde que assumiu o Executivo, nenhuma proposta foi barrada pelo pedetista. Caso a maioria dos vereadores mude de opinião e vote pelo “não” nesta manhã, o projeto volta para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Matheus Gomes
Foto - Reprodução
 
25.06.2018
Primeira fase entra na reta final
25.06.2018
Projeto ‘Mutirão do bem’ orienta para guarda responsável de animais
25.06.2018
Argentina: greve geral atinge vários setores
25.06.2018
Rocam persegue e prende jovens criminosos
25.06.2018
Prefeitura assina convênio com a Copel para Plano Gestor
22.06.2018
Prefeitura vai recriar a Codemar
22.06.2018
Sasc quer “Selo Social” para empresas que oferecem vagas
22.06.2018
Paraná e HUM são destaque na captação de órgãos para transplante
22.06.2018
Brasil vence nos acréscimos
22.06.2018
OAB anuncia novo recurso contra cobrança de bagagem
22.06.2018
Empresário capota carro e morre na PR-317
21.06.2018
Trump assina ordem para impedir separação familiar
21.06.2018
CR7 pode quebrar recorde
21.06.2018
Vacinação é liberada para todos os profissionais da educação de Maringá
21.06.2018
Mulher tenta matar marido por causa de drogas
20.06.2018
Operação Marquise 2018
20.06.2018
Cocamar implanta Canal de Ética
20.06.2018
Escolas municipais e CMEI’s serão dispensados para jogos da Copa
20.06.2018
Sasc promove a Semana de Prevenção sobre Drogas
20.06.2018
Já está tudo armado para soltar Lula
20.06.2018
PC continua investigando a morte de Beatriz
19.06.2018
Semulher prepara implantação do botão do pânico
19.06.2018
Os momentos mais vergonha alheia dos repórteres
19.06.2018
Prefeitura e Sanepar não entram em acordo
19.06.2018
Prefeitura de Maringá pretende aumentar o quadro de funcionários
19.06.2018
EXPO IMIN 2018 será realizada pela primeira vez na cidade de Maringá
19.06.2018
Lei Seca soma dados positivos após 10 anos
Nipo Brasileiro Contabilidade
Asia Sushi Beer
SINCONFEMAR
Della Pizza
B1
Centro Comercial Tiradentes
Paraná Banco
MAPA - Venda de Ônibus
Oliver Media
Garage Motors
OdontoAtual