Maringá, 23 de Setembro de 2018
GLOBAL BENEFÍCIOS Black Bull Steak House
 
Untitled Document
02.08.2018
BC mantém juros básicos em 6,5% ao ano
Pela terceira vez seguida, o Banco Central (BC) não alterou os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) manteve a taxa Selic em 6,5% ao ano. A decisão era esperada pelos analistas financeiros.

Em comunicado, o Copom informou que indicadores recentes mostram que a economia está se recuperando após a greve dos caminhoneiros, mas em ritmo mais lento que o esperado antes da paralisação. Em relação à economia internacional, o Copom ressaltou que, mesmo com certa acomodação recente do mercado, os riscos de elevação dos juros em países avançados e incertezas sobre o comércio global continuam.

Com a decisão, a Selic continua no menor nível desde o início da série histórica do Banco Central, em 1986. De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015. Em outubro de 2016, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegasse a 6,5% ao ano em março de 2018.

Em maio, o BC interrompeu uma sequência de quedas da Selic e manteve a taxa em 6,5% ao ano, numa decisão que surpreendeu o mercado financeiro. Na ocasião, o BC alegou que a instabilidade internacional, que se manifestou na valorização do dólar nos últimos meses, influenciou a decisão.

A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA acumula 4,39% nos 12 meses terminados em junho, abaixo do centro da meta de inflação, que é de 4,5%. O índice, no entanto, foi o maior para meses de junho desde 1995 por causa da greve dos caminhoneiros, que provocou escassez de produtos e alta de preços. O IPCA de julho só será divulgado nos próximos dias.

Segundo a nota do Copom, os dados recentes indicam que o impacto da inflação de junho foi temporário e que o efeito da paralisação dos caminhoneiros sobre os preços deve se diluir nos próximos meses. De acordo com o texto, ao retirar os fatores relacionados à greve, a inflação continua baixa. “As medidas de inflação subjacente ainda seguem em níveis baixos, inclusive os componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária”, destacou o comunicado.

Até 2016, o Conselho Monetário Nacional (CMN) estabelecia meta de inflação de 4,5%, com margem de tolerância de 2 pontos, podendo chegar a 6,5%. Para 2017 e 2018, o CMN reduziu a margem de tolerância para 1,5 ponto percentual. A inflação, portanto, não poderá superar 6% neste ano nem ficar abaixo de 3%.

Inflação
No Relatório de Inflação, divulgado no fim de junho pelo Banco Central, a autoridade monetária estima que o IPCA encerrará 2018 em 4,2%. De acordo com o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo BC, a inflação oficial deverá fechar o ano num nível parecido: 4,11%.

Do fim de 2016 ao final de 2017, a inflação começou a diminuir por causa da recessão econômica, da queda do dólar e da supersafra de alimentos. Os índices haviam voltado a cair no início deste ano, afetados pela demora na recuperação da economia, mas voltaram a subir depois da greve dos caminhoneiros, que durou 11 dias e provocou desabastecimento de alguns produtos no mercado.

Crédito mais barato
A redução da taxa Selic estimula a economia porque juros menores barateiam o crédito e incentivam a produção e o consumo em um cenário de baixa atividade econômica. No último Relatório de Inflação, divulgado em junho, o BC projetava expansão da economia em 1,6% para este ano, estimativa revista para baixo depois da greve dos caminhoneiros. Segundo o boletim Focus, os analistas econômicos projetam crescimento de 1,76% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos pelo país) em 2018.

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Ao reduzir os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de subir.

Agência Brasil
 
23.09.2018
Beyoncé acusada de bruxaria
23.09.2018
São Paulo cede empate no Morumbi
23.09.2018
Bairros de Maringá recebem armadilhas contra dengue
23.09.2018
Comitê 9840 recebe 49 denúncias de crimes eleitorais
23.09.2018
TSE disponibilizará aplicativo que mostra apuração em tempo real
23.09.2018
Motorista foge após colisão que matou motociclista
21.09.2018
Forte chuva causa estragos em Maringá
21.09.2018
Contratação para operadores de torre do aeroporto é retomada
21.09.2018
Recuperação do Contorno Sul deve ficar para o ano que vem
21.09.2018
Justiça incentiva cidadão a fiscalizar o processo eleitoral
21.09.2018
Maringaense é preso em São Paulo por tráfico
21.09.2018
Radares multam quase 15 mil na Cidade
20.09.2018
Parque do Ingá terá pista de caminhada emborrachada
20.09.2018
Cruzeiro perde para Boca Juniors
20.09.2018
SRM apresenta tema e logo da Expoingá 2019
20.09.2018
Mais de 10,6 mil brasileiros vão votar em cédula de papel no exterior
20.09.2018
Mais uma professora é denunciada por tortura
20.09.2018
Lei que autoriza compra de vagas em creches é sancionada
19.09.2018
Seduc entrega comunicado e pais ficam preocupados
19.09.2018
Defesa Civil realiza simulação de abandono em escolas
19.09.2018
PM participa da Semana de Trânsito
19.09.2018
Mulher seminua é encontrada amarrada com arame farpado
19.09.2018
Pesquisa Ibope: Jair Bolsonaro lidera com 28%
19.09.2018
População reclama das calçadas dos parques de Maringá
18.09.2018
Combate às drogas
18.09.2018
Reunião busca soluções para o trânsito de Maringá
18.09.2018
Procon de Maringá resolve 95% das reclamações
18.09.2018
CNT/MDA: Bolsonaro lidera com 28,2%
18.09.2018
Mulher esfaqueia marido durante briga
17.09.2018
Ex-Spice Girl passa por exame pela guarda da filha
17.09.2018
Relembrando o Colégio Marista
17.09.2018
Campanha resgata autoestima de pessoas
17.09.2018
Receita e PF apreendem milhões dólares em aeroporto
17.09.2018
Motociclista morre em acidente na Cerro Azul
17.09.2018
DER-PR abre edital para construção de viaduto na Colombo
Nipo Brasileiro Contabilidade
Asia Sushi Beer
SINCONFEMAR
Della Pizza
B1
Centro Comercial Tiradentes
Paraná Banco
MAPA - Venda de Ônibus
Oliver Media
Garage Motors
OdontoAtual