Maringá, 17 de Junho de 2019
GLOBAL BENEFÍCIOS Black Bull Steak House
 
Untitled Document
02.08.2018
BC mantém juros básicos em 6,5% ao ano
Pela terceira vez seguida, o Banco Central (BC) não alterou os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) manteve a taxa Selic em 6,5% ao ano. A decisão era esperada pelos analistas financeiros.

Em comunicado, o Copom informou que indicadores recentes mostram que a economia está se recuperando após a greve dos caminhoneiros, mas em ritmo mais lento que o esperado antes da paralisação. Em relação à economia internacional, o Copom ressaltou que, mesmo com certa acomodação recente do mercado, os riscos de elevação dos juros em países avançados e incertezas sobre o comércio global continuam.

Com a decisão, a Selic continua no menor nível desde o início da série histórica do Banco Central, em 1986. De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015. Em outubro de 2016, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegasse a 6,5% ao ano em março de 2018.

Em maio, o BC interrompeu uma sequência de quedas da Selic e manteve a taxa em 6,5% ao ano, numa decisão que surpreendeu o mercado financeiro. Na ocasião, o BC alegou que a instabilidade internacional, que se manifestou na valorização do dólar nos últimos meses, influenciou a decisão.

A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA acumula 4,39% nos 12 meses terminados em junho, abaixo do centro da meta de inflação, que é de 4,5%. O índice, no entanto, foi o maior para meses de junho desde 1995 por causa da greve dos caminhoneiros, que provocou escassez de produtos e alta de preços. O IPCA de julho só será divulgado nos próximos dias.

Segundo a nota do Copom, os dados recentes indicam que o impacto da inflação de junho foi temporário e que o efeito da paralisação dos caminhoneiros sobre os preços deve se diluir nos próximos meses. De acordo com o texto, ao retirar os fatores relacionados à greve, a inflação continua baixa. “As medidas de inflação subjacente ainda seguem em níveis baixos, inclusive os componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária”, destacou o comunicado.

Até 2016, o Conselho Monetário Nacional (CMN) estabelecia meta de inflação de 4,5%, com margem de tolerância de 2 pontos, podendo chegar a 6,5%. Para 2017 e 2018, o CMN reduziu a margem de tolerância para 1,5 ponto percentual. A inflação, portanto, não poderá superar 6% neste ano nem ficar abaixo de 3%.

Inflação
No Relatório de Inflação, divulgado no fim de junho pelo Banco Central, a autoridade monetária estima que o IPCA encerrará 2018 em 4,2%. De acordo com o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo BC, a inflação oficial deverá fechar o ano num nível parecido: 4,11%.

Do fim de 2016 ao final de 2017, a inflação começou a diminuir por causa da recessão econômica, da queda do dólar e da supersafra de alimentos. Os índices haviam voltado a cair no início deste ano, afetados pela demora na recuperação da economia, mas voltaram a subir depois da greve dos caminhoneiros, que durou 11 dias e provocou desabastecimento de alguns produtos no mercado.

Crédito mais barato
A redução da taxa Selic estimula a economia porque juros menores barateiam o crédito e incentivam a produção e o consumo em um cenário de baixa atividade econômica. No último Relatório de Inflação, divulgado em junho, o BC projetava expansão da economia em 1,6% para este ano, estimativa revista para baixo depois da greve dos caminhoneiros. Segundo o boletim Focus, os analistas econômicos projetam crescimento de 1,76% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos pelo país) em 2018.

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Ao reduzir os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de subir.

Agência Brasil
 
14.06.2019
Coluna do Verde
14.06.2019
Ações do Junho Vermelho começam em Maringá
14.06.2019
Câmara discute projeto de criação de casas populares
14.06.2019
Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio de R$ 115 milhões
14.06.2019
Assaltantes morrem em confronto com a polícia
13.05.2019
Prefeitura assina convênio com o BB
13.06.2019
Coluna do Verde
13.06.2019
Santos vence Corinthians
13.06.2019
Parque do Japão vai investigar morte de carpas
13.06.2019
Decisão do TRF1 não vê ilegalidades no contingenciamento de recursos
13.06.2019
Desmontada quadrilha de ladrões de carros
12.06.2019
Arquidiocese registra queixa contra suposto padre
12.06.2019
Balanço mostra queda de 23% no número de homicídios
12.06.2019
Procon reúne notas fiscais de postos de combustíveis
12.06.2019
Geison Ferdinandi assuma o Procon
12.06.2019
Dnit analisa projeto de oito viadutos no Contorno Norte
11.06.2019
Acim apresenta pesquisa do Dia dos Namorados
11.06.2019
Neymar perde valor no mercado
11.06.2019
Começam as inscrições para o ProUni
11.06.2019
Advogado formado em Maringá morre esfaqueado em Guaratuba
11.06.2019
Servidores do Sinteemar entram em greve na sexta-feira
10.06.2019
HU de Maringá atendeu mais de 60 mil pessoas em 2018
120.06.201
Coluna sindical
10.06.2019
Brasil goleia Honduras
10.06.2019
Mega-Sena acumula e prêmio para o próximo concurso é R$ 80 milhões
10.06.2019
Preso suspeito de crime macabro
10.06.2019
Restituição do Imposto de Renda está aberta
07.06.2019
Obras de Portinari são disponibilizadas no Google
07.06.2019
Coluna do Verde
07.06.2019
Atlético-MG bate Santos de virada
07.06.2019
Copa do Mundo de Futebol Feminino
07.06.2019
Polícia conclui inquérito do caso Jeniffer
07.06.2019
Provopar inicia Campanha do Agasalho 2019
06.06.2019
Feira de Livros oferece centenas de obras
06.06.2019
Brasil vence Catar
06.06.2019
Coluna do Verde
06.06.2019
Nepal recupera 4 corpos e retira 11 toneladas de lixo no Everest
06.06.2019
Suspeito de pedofilia é preso em Maringá
06.06.2019
Programa Bota-Fora será retomado em Maringá
05.06.2019
Santa Luiza de Marillac precisa de doações de leite
05.06.2019
Francês Press
05.06.2019
MEC não confirma campus da UTFPR em Maringá
05.06.2019
Flamengo avança na Copa do Brasil
05.06.2019
Estados terão de cortar gastos e aumentar receitas
05.06.2019
Venda de refrigerante e chocolate em escolas será proibida
04.06.2019
Guardas municipais iniciam curso para uso de armas
04.06.2019
Jadson e Sornoza em campo
04.06.2019
EUA pedem a solicitantes de visto detalhes sobre redes sociais
04.06.2019
Coluna do Verde
04.06.2019
Morre o comerciante esfaqueado por dívida
04.06.2019
Semana do Meio Ambiente discute assuntos importantes
03.06.2019
Figurinos de Lady Gaga ganham exposição
03.06.2019
Obras do Terminal Intermodal avançam
03.06.2019
Bazar com mercadorias da Receita Federal
03.06.2019
Preços de combustíveis serão investigados
03.06.2019
Bolsonaro pretende dobrar pontos para suspensão de CNH
03.06.2019
Vacina da gripe está liberada a toda população
Nipo Brasileiro Contabilidade
Asia Sushi Beer
SINCONFEMAR
Della Pizza
B1
Centro Comercial Tiradentes
Avenida Store
MAPA - Venda de Ônibus
Oliver Media
Garage Motors
OdontoAtual