Maringá

Entidades de Maringá já receberam R$ 13,3 milhões do Nota Paraná

O Nota Paraná já distribuiu R$ 13,3 milhões para 63 instituições em Maringá desde 2016. São entidades sem fins lucrativos que estão cadastradas no programa. No Estado, no mesmo período, foram R$ 200 milhões entregues a partir da ação de estímulo à cidadania fiscal.

Em 2015 iniciou o cadastro para consumidores, no ano seguinte as entidades passaram a ser beneficiadas. Para fazer doação às instituições é necessário solicitar a nota sem CPF ou acessar o aplicativo do programa Nota Paraná com um CPF cadastrado e posteriormente escolher a entidade que receberá a contribuição. A utilização do app é feita com chave de acesso emitida na nota.

Ao site MaringáPost, Marta Jandira Gambini, coordenadora do programa, disse que “de todo o imposto recolhido pelas empresas, é devolvido 30% das menores e 10% das empresas maiores. Os valores são divididos entre as pessoas que pediram o CPF na nota e doaram para as entidades.”

Outra maneira de participar é depositando a nota fiscal em urnas que estão nas recepções das entidades e diversos estabelecimentos participantes. Porém, com a pandemia do novo coronavírus, a orientação é que o processo seja feito diretamente pelo doador pelos outros meios de destinação.

A sonegação de imposto no Estado é um dos principais objetivos do Nota Paraná. Com o cronograma novamente em dia, a partir de setembro os sorteios voltam à programação normal. São R$ 5 milhões sorteados todo mês, sendo R$ 2,8 milhões para os contribuintes que colocam o CPF na Nota e R$ 2,2 milhões para as instituições filantrópicas credenciadas.

CADASTRO
Para se cadastrar no Nota Paraná é só acessar o site notaparana.pr.gov.br, clique na opção “cadastre-se” e preencha os dados pessoais, como CPF, data de nascimento, nome completo, CEP e endereço para criação da senha pessoal. Para participar dos sorteios é preciso fazer adesão no site.

A primeira compra gera um bilhete ao participante do programa para os sorteios mensais, não importa o valor gasto. Depois, a cada R$ 200 em notas fiscais tem o direito de um novo bilhete.

Victor Cardoso
Foto – Reprodução

PUBLICIDADES E PARCEIROS