Coluna Francês Press Noticias Gerais

Francês Press

Uma estatística para ignorantes que vivem arrastando filhos sem máscaras protetoras pelas ruas, shoppings, supermercados, lojas, transporte coletivo e outros locais públicos: em Pernambuco, registrados 647 pacientes de 0 a 14 anos com a Covid-19. E 48 óbitos.

Prevenido, escaldado, o novo arcebispo de Maringá acaba de dar um recado duro e firme aos padres da arquidiocese, prevenindo-os contra “misturar” religião com política: “A Igreja não é palco para campanha política”.

Dom Severino Clasen inclusive adiantou que não ficará apenas na repreensão: “Se alguém usar a igreja como palco eu faço propaganda contra!” Para ele, esse uso não seria honesto, já um primeiro indício de que o candidato “administrará desonestamente”.

Na cidade de origem, Caçador (SC), o bispo Clasen sofreu forte campanha nas redes sociais, por fieis que interpretaram uma homília como favorável ao candidato petista Fernando Haddad. Ele próprio negou e a arquidiocese emitiu nota oficial garantindo que não houve intenção política.

Em Maringá, mesmo que não tivessem intenção, padres foram usados pelo PT e movimentos em ato contra as mudanças na previdência. Em junho de 2109 os padres Marcos, Genivaldo e Leomar Montagna participaram de público politico, fotografados acima de grandes bandeiras da CUT e movimento LGBT e outras.

O próprio Montagna é tão ligado ao PT que chegou a ter o nome citado como pré-candidato a prefeito de Maringá no início desde ano. Também publicou carta ofensiva em redes sociais, chamando de “patos idiotas e não patriotas” os integrantes de uma manifestação no centro da cidade, a maioria composta por católicos.

O padre Leo Montagna considerou que os manifestantes contrários a Lula seriam “subservientes à corrupção, movidos por ódio, intolerantes, parciais e preconceituosos, mentalidade de fazer esquifo”. E que “No fundo teriam mentalidade doentia, privados de alma racional”,

A pandemia diminuiu os ganhos dos acionistas da Sanepar e eles precisam recuperar, tirando um pouco do bolso de cada um de nós consumidores. A empresa anuncia que conseguiu autorização para aumentar as tarifas a partir de 31 de outubro próximo em 9,63%.

Em sua primeira gestão o prefeito Silvio Barros iniciou um trabalho para recuperar para domínio do município sistema de água e esgotos, proporcionando tarifas menores e serviços melhores. Mas os prefeitos que o sucederam “brocharam” na busca desse objetivo.

A propósito, o aumento da Sanepar é abusivo, mais que o dobro da inflação registrada em 2019. Fosse o serviço municipalizado, o povo espernearia e a Câmara Municipal, se não fosse do “Amém”, impediria a nova alíquota leonina.

O transporte coletivo urbano deficiente e caro é bandeira de candidatos em todas as cidades do Paraná. Em Curitiba o candidato Gustavo Fruet comunga com o candidato petista (Mariucci) de Maringá: quer recursos públicos financiando o sistema até alcançar a gratuidade que já existe na Europa moderna. E se for público o município administra.

O Paraná não vai liberar aulas nas escolas públicas enquanto houver perigo para as crianças. A opinião do secretário de Saúde do Paraná inclusive afasta a possibilidade de um retorno em setembro. Segundo Beto Preto, há estabilização no número de casos de coronavírus, mas o platô está muito alto.

PUBLICIDADES E PARCEIROS