Coluna Francês Press Noticias Gerais

Francês Press

O presidente Bolsonaro está pedindo “patriotismo” às supermercados que se aproveitariam da pandemia e gananciosamente para buscar maiores lucros na cesta básica de alimentos. O presidente disse inclusive que tem recebido muitas queixas contra as seguidas altas de produtos básicos com o arroz e feijão, prejudicando principalmente as famílias mais pobres.

Levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP mostra que os produtos agrícolas registram altas recordes nos últimos meses, tracionadas pelo aumento da demanda externa e influenciadas pela queda do real perante o dólar, além do fato da demanda interna não ter caído pelo pagamento do auxílio emergencial.

A alta do arroz foi em 100% em 12 meses, do milho 65%. Segundo supermercadistas, as altas somam mais de 20% em produtos como leite, arroz, feijão e óleo de soja, pressionadas por preços altistas repassados por fornecedores e indústria.

Mesmo se não for candidato em Maringá, se agradecido Silvio Barros deve participar, indiretamente através de testemunho, da eleição em Sarandi. Ele tem dívida moral com o ex-prefeito Carlos Alberto de Paula (PP) que em 2016 deixou de apoiar o candidato de seu partido aqui, Ulisses Maia (PDT), para apoiar Silvio.

Essa atitude resultou inclusive na dissolução do diretório do PDT em Sarandi. De Paula foi expulso do partido, mas sustentou até o fim: “Maringá vote 11, meu partido é o PDT, mas não posso me furtar de falar a verdade, o melhor para Maringá é o Silvio Barros, disparado!”

Com covid-19 o ex-prefeito e ex-deputado de Campo Mourão, Nelson Tureck, transferido no início da semana para o Hospital Albert Einstein (SP), continua em estado grave. Outro político mourãoense acometido pela pandemia, o vereador Edson Battilani, foi internado no Hospital Paraná e entubado.

Os bancos estão investindo pesado em aplicativos que comporão os novos sistemas de pagamento e de movimentações de contas a partir dos próximos anos, esvaziando as agências bancárias. O Banco Central avalia riscos das movimentações envolvendo a plataforma Facebook Pay e o Whatsapp quer utilizar sua dimensão, evitando ficar para trás.

Quando o recurso for autorizado pelo BC, os usuários poderão ativar o Facebook Pay no smartphone, informando o cartão de crédito e débito e definindo uma senha, ou PIN. Para enviar dinheiro será preciso clicar em um contato e acionar a ferramenta “anexar”. A transação será uma das alternativas de anexo.

Se uma eleição fosse feita em único turno, hoje, o presidente Jair Bolsonaro seria reeleito batendo nomes tradicionais da política. Segundo pesquisa da revista Exame, Bolsonaro seria o mais votado com 31% dos votos.

Na sequência da preferência dos eleitores, Lula (17%), Moro (13%), Ciro Gomes (6%), Luciano Huck (5%), João Doria (PSDB), João Amoedo (Novo) e Marina Silva (2%), Flávio Dino (governador do Maranhão) com 1%).

Com a possibilidade de 3% de erro para cima ou para baixo, o único adversário hoje consistente é o ex-juiz maringaense. Segundo experts do cenário nacional, isso explica as razões de tanta mobilização do governo e dos outros adversários para desgastar Moro politicamente.

A pesquisa feita entre 24 e 31 de agosto com 1.235 pessoas de todo o país também levantou outros cenários. Bolsonaro contra Lula, o capitão teria 42% e o ex 31%; Bolsonaro 38%, Moro 31%; Bolsonaro 41%, João Dória 17%.

Em São Miguel do Iguaçu a polícia capturou um “assaltante-diarista” de praça de pedágio, cumpridor de escala de “serviço”. Assaltou na noite de segunda-feira, pulou um dia e voltou a assaltar na quarta-feira. Calculou um policial – também doido? – que o assaltante deveria tornar na sexta-feira. E não é que voltou? O rapaz de 18 anos usava arma de brinquedo.

PUBLICIDADES E PARCEIROS