Policial

Mistério envolve a morte de “Elias Maluco” em presídio do Paraná

Para o delegado Daniel Martarelli Costa, da Polícia Federal, o assassino do jornalista carioca Tim Lopes pode ter se suicidado. “Elias Maluco” deixou cartas, que estão sendo analisadas pela perícia, mas que seriam indicativos de um provável suicídio. O preso , que cumpria pena de 28 anos e 6 meses na Penitenciária de Segurança Máxima em Catanduvas , no Oeste do Paraná, não tinha,porém, como reconhece o delegado, perfil e nem comportamento de suicida.

Ele foi encontrado morto na cela onde ficava sozinho, pendurado em um lençol improvisado como corda. Segundo informações de policiais judiciários que trabalham na Penitenciária , Elias Pereira da Silva, o “ Elias Maluco”, havia dispensado dois advogados de defesa que o visitariam na tarde terça-feira. Os advogados estranharam a atitude do cliente: “Eu o atendia há mais de dois anos e o último contato com ele foi há cerca de duas semanas. Acho nula a possibilidade dele não querer nos receber. Se a morte já tinha ocorrido neste horário deveríamos ter sido informados”, disse a advogada Luceia Macedo.

Elias Maluco ficou conhecido no mundo do crime pelos métodos bárbaros que usava para matar suas vítimas. O jornalista Tim Lopes, morto enquanto fazia reportagem sobre exploração de menores em bailes funk do Rio de Janeiro, foi torturado até a morte. O corpo do jornalista da Globo foi carbonizado numa fogueira de pneus conhecida como “micro-ondas”.

Redação JP
Foto – Reprodução

PUBLICIDADES E PARCEIROS