Maringá

Secretaria de Saúde pede que combate seja permanente em Maringá

Na semana passada, a Secretaria de Saúde de Maringá divulgou que em sete dias foi registrado um único caso de dengue no município. Dessa forma, a Cidade passou a ter 23 confirmações, sendo uma em estado grave, e três casos suspeitos e 61 notificações da doença. A diminuição nos números é importante; porém, o combate ao mosquito aedes aegypti deve ser permanente, ainda mais com as temperaturas tão elevadas.

A transmissão da dengue é muito menor em temperaturas abaixo de 16° C, sendo que a mais propícia gira em torno de 30° a 32° C, por isso o mosquito se desenvolve em áreas tropicais e subtropicais. A fêmea coloca os ovos em condições adequadas e em 48 horas o embrião se desenvolve.

O ciclo de transmissão ocorre do seguinte modo: a fêmea do mosquito deposita seus ovos em recipientes com água. Ao saírem dos ovos, as larvas vivem na água por cerca de uma semana. Após este período, transformam-se em mosquitos adultos.

A dengue não é transmitida de pessoa para pessoa. A transmissão se dá pelo mosquito que, após um período de 10 a 14 dias contados depois de picar alguém contaminado, pode transportar o vírus da dengue durante toda a vida.

DICAS
O mosquito coloca seus ovos em água limpa, mas não necessariamente potável. Por isso é importante jogar fora pneus velhos, virar garrafas com a boca para baixo e, caso o quintal seja propenso à formação de poças, realizar a drenagem do terreno. Também é necessário lavar a vasilha de água do bicho de estimação regularmente e manter fechadas tampas de caixas d’água e cisternas.

O uso de pratos nos vasos de plantas pode gerar acúmulo de água. Há três alternativas: eliminar esse prato, lavá-lo regularmente ou colocar areia. A areia conserva a umidade e ao mesmo tempo evita que e o prato se torne um criadouro de mosquitos. Não despeje lixo em valas, valetas, margens de córregos e riachos. Dessa forma garante que eles ficarão desobstruídos, evitando acúmulo. As latas de lixo devem ficar sempre bem tampadas.
Ralos pequenos de cozinhas e banheiros raramente tornam-se foco de dengue devido ao constante uso de produtos químicos, como xampu, sabão e água sanitária. Todavia, alguns são rasos e conservam água. Nesse caso, o ideal é que ele seja fechado com uma tela ou que seja higienizado com desinfetante regularmente.

Os grandes reservatórios, como caixas d’água, são os criadouros mais produtivos de dengue, mas as larvas do mosquito podem ser encontradas em pequenas quantidades de água também. Para evitar até essas pequenas poças, calhas e canos devem ser checados com frequência.

Redação JP
Foto – Reprodução

PUBLICIDADES E PARCEIROS