Variedades

Pandemia não derrubou humor de brasileiro, diz pesquisa

Apesar de tudo, a pandemia do novo coronavírus não conseguiu derrubar o humor do brasileiro — ou, pelo menos, não conseguiu piorar ainda mais a forma como a população se sente em 2020, em relação a 2019.

O achado é da pesquisa Global Happiness 2020, do instituto de pesquisas Ipsos.

Na edição deste ano, 63% dos brasileiros se disseram felizes. O número oscilou positivamente, dentro da margem de erro, em relação ao ano passado. Em 2019, 61% dos brasileiros disseram estar felizes.

No entanto, não é como se o humor nacional estivesse no pico: o ano mais alegre para os brasileiros, segundo o Ipsos, foi em 2013, quando 81% se diziam contentes.

Embora o número total tenha mudado pouco, os motivos que levam os brasileiros a se considerarem felizes mudaram em 2020, em relação ao ano passado.

Durante a pandemia, o brasileiro parece ter passado a dar mais importância para as relações interpessoais.

Menos pessoas mencionaram como fonte de felicidade a situação da economia (-9%) e a própria situação financeira (-2%). Em compensação, mais brasileiros citaram a relação com o cônjuge ou namorado (+5%) e com os amigos (+4%).

Também ganharam importância as doações aos necessitados ou o trabalho voluntário (+6%) e até o fato de ter sido perdoado por alguma falta contra outra pessoa (+6%).

Este ano, a pesquisa da Ipsos foi aplicada em 27 países, entre os dias 24 de julho e 7 de agosto. Ao todo, foram ouvidas 19.516 pessoas, usando uma plataforma online desenvolvida pela empresa.

No Brasil, foram ouvidos 1.000 moradores, e a margem de erro nos dados relativos ao país foi estimada em 3,5 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Desde a primeira edição da pesquisa, em 2011, o índice de felicidade no Brasil caiu 14 pontos percentuais. Naquele ano, 77% dos moradores do país se diziam felizes.

Segundo o levantamento, o ápice da satisfação dos brasileiros com a vida foi em 2013, quando 81% se disseram felizes. Por outro lado, o ano mais triste foi 2017, quando apenas 56% responderam positivamente.

Segundo a diretora de comunicação da Ipsos no Brasil, Sandra Zlotagora Pessini, é possível que o fato da pesquisa ter sido conduzida por meio virtual tenha diminuído a representação de pessoas mais pobres na amostra, integrantes da chamada Classe E. No entanto, diz ela, a internet tem hoje grande penetração no país, e alcança algo como 74% dos brasileiros.

Foto – Reprodução

PUBLICIDADES E PARCEIROS