Maringá

Ações do Procon de Maringá orientam sobre compras na Black Friday

A Black Friday, uma das principais datas do varejo depois do Natal, vai acontecer na próxima sexta-feira, dia 27. Pouco mais da metade dos brasileiros pretende comprar algum item nesta data, segundo pesquisa da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop). Para orientar os consumidores sobre compras em lojas físicas e online, o Procon de Maringá iniciou uma série de ações.

A instituição vai instalar uma base do Procon na Praça Napoleão Moreira da Silva para facilitar a conversa com as pessoas que precisarem de ajuda. O consumidor precisa tirar todas as dúvidas e ficar alerta para não cair em fraude ou propaganda enganosa. Além disso, as equipes vão fazer vistorias em lojas orientando os trabalhadores a mantenham as medidas de prevenção ao novo coronavírus.

“É importante que se observe os preços dos produtos agora, com dias de antecedência. Existem estabelecimentos que aumentam o valor da mercadoria para, somente na sexta-feira, “abaixar” o preço; quando na verdade não teve desconto algum. Comprar por impulso e sem pesquisar podem gerar prejuízos”, disse o diretor do Procon, Geison Ferdinandi.

O Procon de Maringá recebe denúncias de irregularidades pelos telefones 151 ou 3293-8150. O Procon Móvel é outra alternativa para denúncias.

DICAS
Em anos anteriores, a ‘maquiagem’ de preços ocupou o quarto lugar entre as principais reclamações, portanto pesquise antes. Em algumas páginas, é possível ativar um alerta de preços para ser avisado quando o produto chegar ao valor desejado. Outra dica importante é checar a reputação do site e fazer prints da tela. Quando finalizar a compra a orientação é também ter imagem desse procedimento.

Só compre em sites estrangeiros se forem conhecidos. Se não estiverem hospedados no Brasil, o cliente não terá amparo legal para correr atrás dos direitos se acontecerem contratempos. Importante ver também se o site tem certificado digital SSL (secure socket layer), que criptografa as informações entre o usuário e a loja. Essa dica vale para os sites brasileiros também.

Liste os desejos para não comprar por impulso e não se deixe pressionar pelo lojista. É necessário prestar atenção ao argumento de “últimas unidades” e aos sites que deixam um cronômetro para mostrar que o tempo está correndo e que você pode perder a chance de adquirir aquele item tão cobiçado; são apenas estratégias de venda.

Parcele apenas se valer a pena, é preciso ter certeza de que vai dar para arcar com as parcelas e que o desconto é vantajoso. Muito importante verificar se o desconto é real. Muitas lojas oferecem descontos de até 90%, mas que vale para uma única peça (e das mais baratas). Algumas vezes o desconto não é aplicado a todos os itens selecionados.

Não só para a Black Friday, mas como rotina, o consumidor deve ficar atento se os preços e as condições de pagamento dos produtos estão visíveis; observar se a mercadoria ofertada é peça de mostruário; se informar sobre prazos, garantias e trocas de produtos; e saber os horários de atendimento em lojas físicas, por conta da pandemia muitas estão agendando.

Victor Cardoso
Foto – Reprodução

PUBLICIDADES E PARCEIROS