Maringá, 21 de Novembro de 2018
GLOBAL BENEFÍCIOS Black Bull Steak House
 
Untitled Document
08.11.2017
Prefeitura é condenada por danos no Horto Florestal
A Prefeitura de Maringá foi multada em mais de R$ 13 milhões pela Justiça em virtude de omissão com uma série de providências que deveriam ser tomadas a fim de preservar o Horto Florestal.

Sentenciada no final de outubro e divulgada na manhã dessa terça-feira (7), a Companhia Melhoramentos Norte do Paraná (CMNP) também foi penalizada, em mais de R$ 500 mil, visto a ausência de ações efetivas contra a erosão de um dos espaços ambientais mais importantes da Cidade.

A decisão foi tomada pelo juiz da 2ª Vara da Fazenda Pública de Maringá, Marcel Ferreira dos Santos, e faz parte do processo que já havia condenado Maringá e a Companhia a atuarem de forma urgente na recuperação do Horto há aproximadamente quatro anos, com o objetivo de atender outra sentença, esta proferida em 2005, pela 4ª Vara Cível do município. Apesar do ônus milionário a Cidade, gestão garante que já esperava o revés na justiça e agora tentará negociar o valor.

O Horto Florestal de Maringá foi fechado em outubro de 2003 por decisão do juiz Alberto Marques dos Santos que atendeu pedido de liminar por parte da Promotoria do Meio Ambiente. A situação chegou a este ponto devido ao aparecimento de erosões e pontos de degradação severa da terra. Na época, a Prefeitura e a CMNP protelaram por dois anos com pequenos reparos e apresentação de projetos de recuperação, entretanto, a ausência de planos eficazes culminou no fechamento definitivo e em pedido de indenização por parte da Justiça.

Em 2012 a Prefeitura de Maringá iniciou uma série de ações organizadas para trabalhar não somente na recuperação do espaço degradado, como também na tentativa de reabrir o parque. Autoridades ambientais do Paraná visualizaram o local e identificaram erosões de grandes proporções causadas pela falta de escoamento da água da chuva, juntamente da poluição de córregos, entre outras situações consideradas negativas. Por conta de todo o histórico de descaso e falta de iniciativas por parte do poder público e da Companhia, detentora do espaço ambiental, a multa não foi uma surpresa para a atual gestão.

De acordo com o Chefe de Gabinete do prefeito, Domingos Trevizan, com a nova sentença, já esperada, o caminho a ser tomado é o de amenizar os prejuízos causados do ponto de vista econômico. “Para pagar a indenização, além da utilização dos recursos gerais, vamos realizar um Termo de Ajustamento de Conduta. Nos sobrou um passivo de décadas de degradação do horto, que além dos custos com a preservação, temos que atuar na recuperação do local. Vamos entrar junto ao Ministério Público para que um plano de recuperação seja feito e colocado em prática. O nosso jurídico já está trabalhando para a promoção de investimentos a favor do horto”, explica. A respeito do Termo, o mecanismo jurídico busca propor que, mediante assinatura de um compromisso, o valor a ser gasto poderia ser revertido em ações para a recuperação e melhorias no local.

Ainda segundo Trevizan, a multa no valor total de R$ 13,5 milhões, independente da forma que será paga, não altera os planos do município de obter a posse definitiva do terreno de proteção ambiental. Em Maringá, o horto é palco há mais de uma década do impasse entre a Companhia Melhoramentos, sediada em São Paulo (SP), e da Prefeitura que busca municipalizar a área de aproximadamente 37 hectares de mata nativa. “A negociação sobre a forma de pagamento ocorre de forma paralela a negociação para a prefeitura assumir o Horto Florestal. Vamos agilizar ao máximo para ter o controle total da administração do terreno. Atualmente nós enfrentamos uma série de situações burocráticas para analisar o local. Com a administração por parte da Prefeitura, qualquer sinal de degradação a gente já pode agir na hora, sem necessidade de autorização de uma empresa”, finaliza.

De acordo com a sentença de Marcel Santos, a correção dos valores terá como base a data inicial do documento protocolado, datada em 27 de setembro deste ano. A maior preocupação por parte da gestão era a de que o preço corrigido tivesse como ponto de partido a decisão em 2005, fato que elevaria de forma significativa à indenização. Depois de duas reuniões somente neste ano, com a presença do prefeito Ulisses Maia (PDT) e a direção da Companhia, a Prefeitura espera que nos próximos meses a negociação sobre a posse do horto entre na última etapa. A CMNP não se manifestou a respeito da multa no valor de R$ 511 mil.

Matheus Gomes
Foto - Reprodução
 
20.11.2018
Hospital Universitário precisa contratar 38 médicos
20.11.2018
Defesa Civil de Maringá eleita a melhor do Estado
20.11.2018
Moro coordenará grupo de combate à corrupção
20.11.2018
PRF registra 15 mortes na Operação República no Paraná
20.11.2018
Acidente na avenida Colombo faz mais uma vítima fatal
19.11.2018
Filhas saem em defesa de Silvio Santos
19.11.2018
Problema com ambulâncias no HU
19.11.2018
Festa Literária de Maringá começa quarta-feira
19.11.2018
SRM promove 10ª Agrocampo
19.11.2018
Hospital do Câncer precisa de doadores de sangue
19.11.2018
Prefeitura cobra do DER adequações para fechar cruzamentos
Nipo Brasileiro Contabilidade
Asia Sushi Beer
SINCONFEMAR
Della Pizza
B1
Centro Comercial Tiradentes
Paraná Banco
MAPA - Venda de Ônibus
Oliver Media
Garage Motors
OdontoAtual