Destaques do Dia

Crescem denúncias de perturbação de sossego

Para a Associação Brasileira para a Qualidade Acústica (ProAcústica) o conforto acústico causa bem-estar aos indivíduos e que os barulhos ‘torturantes’ como os urbanos, deixam o corpo em alerta. Já qualquer som estridente pode causar estresse, dor de cabeça, insônia e tem efeito direto na audição das pessoas. Em Maringá, somente este ano, já foram quase 3,8 mil denúncias de reclamação de som forte e perturbação. O levantamento é do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR).

O município tem dois canais para reclamar e denunciar, a Ouvidoria Municipal (telefone 156) e a Patrulha do Som da Guarda Municipal (telefone 153). No ano passado, foram 7.269 registros de perturbação do sossego pela GM. O nível sonoro permitido durante o dia é entre 55 e 70 decibéis, dependendo da situação e local; já a noite não pode passar de 60 decibéis. Um sonômetro é utilizado para captação.

Antes da pandemia, os principais problemas de descumprimento ocorreram em festas, reuniões de amigos em casas e apartamentos. Também aconteceram em obras, empresas e indústrias que geraram volume alto de algum tipo de som. Segundo a secretaria de Meio Ambiente de Maringá (Sema), os lugares com mais denúncias foram na Vila Olímpica, no estacionamento do Estádio Willie Davids, Parque de Exposições, Zona 7, Rua Paranaguá e as avenidas Petrônio Portela e Guedner.

De acordo com a estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS) 630 milhões de pessoas no mundo terão perda auditiva até 2030 por conta de exposição ao som alto. Até 2050, serão 900 milhões, uma a cada 10 pessoas terá perda auditiva nas próximas três décadas. No Censo de 2010, o último do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 9,7 milhões de brasileiros disseram ter algum tipo de deficiência auditiva. Na época, o número representava mais de 5% da população do país.

Para os Engenheiros especialistas em acústica, o ruído urbano é um dos grandes desafios da profissão. Profissionais da Engenharia são especializados no controle da intensidade de ruídos, vibrações e no desenvolvimento de sistemas eletroacústicos. Os cursos de graduação em Engenharia Civil, como da Universidade Estadual de Maringá (UEM), possuem disciplinas específicas para essa demanda.

Os principais segmentos que precisam de projetos acústicos são construção civil, comércio e indústria de forma geral. Desde as indústrias de bens de produção, intermediários e de consumo. Entre os espaços que precisam de um projeto específico estão escolas, igrejas, estúdios de gravação, teatros, salas de concerto, estúdios de rádio e TV, entre outros.

Victor Cardoso
Foto – Reprodução

PUBLICIDADES E PARCEIROS