Maringá, 21 de Fevereiro de 2018
GLOBAL BENEFÍCIOS NUTRIGENES
 
Untitled Document
19.01.2018
Saúde alerta sobre sífilis e hanseníase
A Prefeitura de Maringá, por meio da Secretaria de Saúde, amplia o alerta para os cuidados que a população deve tomar contra a sífilis e a hanseníase.

Como forma de conscientizar os maringaenses sobre as formas de prevenção, os sintomas e o tratamento desenvolvido pelo Sistema Único de Saúde, a partir do Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) e as Unidades Básicas de Saúde (UBS’s), orientação é que exames sejam feitos periodicamente. Aproximadamente 100 casos de sífilis foram detectados em 2017, enquanto a hanseníase, nos últimos dois anos, afetaram a vida de 18 pessoas.

Com maior foco no começo do ano, a iniciativa de orientar a testagem para as doenças diariamente de forma gratuita visa que a população compreenda a necessidade de que cuidados específicos devem ser tomados.

As recomendações variam desde o uso de preservativos em relações sexuais, contra a sífilis, até a necessidade de manter ambientes abertos e com boa ventilação, como no caso da hanseníase. Ao mesmo tempo em que a prevenção é recomendada, há também o objetivo de esclarecer a importância dos exames para que, em caso de contaminação, o tratamento se inicie o quanto antes, fato que amplia a possibilidade de cura sem qualquer tipo de sequela.

Sífilis
A sífilis é enquadrada como uma doença sexualmente transmissível (DST) provocada com uma bactéria que causa sintomas como uma úlcera, formas de lesões superficiais na pele, que se não tratadas podem avançar e se desenvolver para feridas mais profundas e perigosas. Considerada como “rara” pelo Ministério da Saúde, do Governo Federal, aproximadamente 150 mil brasileiros são diagnosticados com o vírus a cada ano.

Apesar da propagação ser feita principalmente pelo contato sexual desprotegido, outras formas de transmissão também são frequentemente identificadas no País.

A sífilis transmitida de uma pessoa a outra durante o sexo sem preservativos masculino ou feminino resulta no aparecimento de pequenas feridas nos órgãos sexuais ou ínguas nas virilhas entre sete a 20 dias após a prática sexual. Apesar de não coçar, arder, doer ou até mesmo apresentar pus, as feridas indicam quem o tratamento deve ser feito independentemente de em poucos dias estarem totalmente cicatrizadas ou até mesmo desaparecidas repentinamente.

Segundo o Ministério da Saúde, apesar do sumiço, isto não indica cura.
Se medicamentos não forem aplicados, aliado a outras práticas, o vírus permanece no organismo do indivíduo, fato que pode culminar no desenvolvimento e no reaparecimento tempos mais tardes, com sintomas ainda mais graves. A sífilis congênita, por exemplo, ocorre a partir do momento em que uma mulher grávida está infectada pela bactéria e pela ausência de tratamento adequado, o vírus é passado ao feto durante o desenvolvimento.

Nestas situações, mais graves que a doença comum, pode causar má-formação do feto, aborto ou a morte do bebê pouco tempo após o nascimento.

Caso a infecção não seja grave, ainda há a possibilidade da criança nos primeiros meses de vida desenvolver pneumonia, dentes deformados, cegueira, surdez, problemas nos ossos, limitações mentais e principalmente feridas pelo corpo. Sendo assim, também é extremamente recomendado que exames de sangue sejam feitos no primeiro trimestre de gravidez e outro no terceiro trimestre, semanas antes da previsão do parto.

Em ambos os casos a Secretaria Municipal de Saúde orienta a população para o teste rápido de sangue a fim de detectar a existência da doença. No CTA, localizado na Rua Tabaetê, esquina com a Rua Assunção, Jardim Novo Horizonte, o local oferece o teste de segunda a quinta-feira das 7h30 às 16h. Nas mais de 30 UBS’s, os exames são feitos durante o horário de funcionamento de cada local. De forma gratuita e indolor, o resultado é divulgado de forma sigilosa em aproximadamente 30 minutos.

Se o teste der positivo, o paciente é encaminhado para exames complementares, a fim de confirmar o diagnóstico inicial. Nestas situações, será indicado o tratamento com injeções de medicamentos, além de orientações como a impossibilidade de sexo sem preservativos.

Há a possibilidade dos parceiros sexuais também participarem do tratamento, como uma garantia de não-transmissão. Se diagnosticada ainda no início, antes dos avanços de estágios, o vírus não causa maiores danos à saúde do paciente.

Hanseníase
A hanseníase era popularmente conhecida nas últimas décadas como lepra, uma doença infecciosa causada por uma bactéria transmitida pelo ar. Apesar de a transmissão não ocorrer pelo contato com a pele e aproximadamente 90% da população brasileira estar totalmente imunizada contra o vírus, em 2016 o Ministério da Saúde constatou quase 30 mil novos casos. Como forma de buscar a redução para níveis ainda mais seguros, diversas entidades públicas e privadas desenvolvem campanhas nacionais de combate a hanseníase.

Neste mês, sob liderança da Sociedade Brasileira de Hansenologia e o Conselho Federal de Medicina (CFM), entre outras instituições, teve início a campanha Janeiro Roxo, como forma de conscientizar a população no geral sobre a ainda existente lepra e as formas de prevenção e tratamento.

A doença crônica e infectocontagiosa atinge primeiramente a pele e posteriormente nervos periféricos. Com isso, situações como a perda da sensibilidade nas mãos ou nos pés são os primeiros sinais de que a pessoa pode estar infectada.

Apesar da Prefeitura de Maringá não desenvolver campanhas específicas sobre o Janeiro Roxo, a Secretaria de Saúde oferece exames gratuitos para a detecção da doença e, em caso de confirmação, os tratamentos e orientações são disponibilizados pelas Unidades Básicas de Saúde de forma rápida para que em poucos meses o vírus seja controlado e o paciente não sofra com as sequelas. De acordo com a enfermeira Valéria Morais, além dos testes, o mais importante é que cada indivíduo se atente para alterações na pele. “É importante ficar atento. Se aparecer alguma mancha suspeita na pele, a pessoa precisa procurar a unidade o mais rápido possível”, garante em nota. Em Maringá, entre 2016 e 2017 foram registrados 18 casos confirmados da doença. Apesar do índice baixo, as orientações contra a hanseníase, bem como a sífilis, devem ser feitas anualmente.

Matheus Gomes
Foto - PMM
 
21.02.2018
Maia pode sancionar lei do assédio moral
21.02.2018
Semob promove ações para reduzir excesso de velocidade
21.02.2018
Obras no Terminal da Morangueira atrasam
21.02.2018
Senado aprova decreto presidencial de intervenção no RJ
21.02.2018
Denarc de Maringá apreende seis toneladas de maconha
21.02.2018
Onda de violência em Maringá preocupa
20.02.2018
Corinthians empata com RB
20.02.2018
Risco de infestação do mosquito da dengue é alto
20.02.2018
Pagamento do IPTU com 8% de desconto vai até dia 22
20.02.2018
Manifestantes invadem escritório de ministro da Saúde
20.02.2018
Bandidos matam um e ferem duas crianças na Cidade
19.02.2018
Reforma e revitalização da Praça de Patinação
19.02.2018
Comércio de Maringá registrou queda de faturamento
19.02.2018
Ator é vítima de comentários racistas
19.02.2018
Edital para frota de coleta seletiva tem apenas uma empresa
19.02.2018
Detentos do RJ fazem rebelião com reféns
19.02.2018
PM apreende mais de meio milhão de reais e maconha
Nipo Brasileiro Contabilidade
Hotel Internacional
SINCONFEMAR
Della Pizza
B1
Centro Comercial Tiradentes
Paraná Banco
MAPA - Venda de Ônibus
Oliver Media
Garage Motors
OdontoAtual